MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

Direita e esquerda: a relevância de uma distinção - em 3 partes

                                                                     
Para Olavo de Carvalho, com admiração.

Fustel de Coulanges mostrou-nos, desde 1864, que o homem é um ser complexo, reunindo, aliás, na sua radical incompletude, contributos díspares de várias épocas históricas.

De quantas faces é composta a face humana? Ainda o sabemos?

Contra a frivolidade mediática dominante, temos de voltar à sabedoria e ao diálogo sereno com os clássicos. É uma tarefa inadiável.

Mas a esquerda, essa fábrica ininterrupta de mentiras, poluiu o nosso ambiente político perigosamente. Abastardou tudo. 

Sem a remoção desse lixo tóxico não se consegue, jamais, edificar uma política decente e um país de homens livres.

Quase todos os manuais escolares e os artigos de jornal dizem-nos, por ex., que o New Deal de Franklin Delano Roosevelt e o sr. Keynes “salvaram” o capitalismo, livrando-nos, miraculosamente, da Grande Depressão de 1929 e das suas funestas consequências económicas. Adam Smith estava errado. É esta a mensagem subliminar.  

O “homem do sistema” tem de intervir e garantir o equilíbrio.

O mantra tem sido repetido durante várias décadas, mas não passa de uma bela e elementar tolice.  

Para se ter a dimensão da lenda, basta consultar, por outro lado, a Internet. Essa poderosa invenção capitalista.  

Lê-se algures esta pérola:

“Com o New Deal, portanto, iniciou-se a tensa construção do pacto entre Estado, trabalho organizado e capital, ou regulação fordista-keynesiana do capitalismo que, no pós-guerra, fundamentaria o peculiar Estado de Bem-Estar americano e o longo período de prosperidade que se estenderia até fins dos anos 1960” (in http://pt.wikipedia.org/wiki/New_Deal).



Cita-se aqui, refira-se, uma “tese de doutorado” em História Social, defendida numa universidade do Rio de Janeiro em 2003! Fantástico, como prova acabada de uma forma mentis.

A própria academia transformou-se, tal como previra Antonio Gramsci, num dócil veículo de propaganda, em prol do “novo príncipe”, amplificando, ceteris paribus, a malícia colectivista em escalas estratosféricas.

A imbecilização pseudoletrada campeia a todo o vapor.

Thomas Sowell, que por acaso é negro e liberal, e investigador sénior da Hoover Institution (Stanford), já demoliu, impiedosamente, essa velha cantilena esquerdista.

Historicamente, sucedeu exactamente precisamente o contrário.

A balela keynesiana é, por conseguinte, uma impostura ridícula. Não vale nada. É uma estória da carochinha.

Só o uncommon knowledge, alicerçado na pesquisa sincera, nos pode devolver a luz. E tirar-nos, definitivamente, da escura caverna socialista.

Há que abdicar dessa canga miserável, porque a liberdade rima, antes de tudo, com a verdade.

Logo após a Grande Depressão, e por simples e espontânea acção do mercado, o desemprego começou a descer nos EUA.
No mês de Junho de 1930 atingira a surpreendente taxa de 6,3%.

Mas depois vieram a maciça intervenção do Governo e as medidas de “estímulo”, primeiro com Hoover e, depois, com a administração Roosevelt. Foi o bonito!

Passado pouco tempo, a taxa de desemprego havia atingido os dois dígitos, como neste infeliz reduto desse rebento de Getúlio Vargas que é o sr. José Maria Neves, o cínico.

E foi assim durante toda a década de 1930. O New Deal foi um fracasso.

A Guerra é que inverteu a situação, como explica categoricamente Sowell.     

Keynes era apenas um socialista fabiano que, em 1936, perante o horror da tirania estalinista, cuja dimensão já era bem conhecida, elogiava os “administradores altruístas” da URSS. Porca miséria!

É este o grande ídolo de boa parte da nossa intelligentzia e dos nossos burocratas, apostados, é claro, na perversa “economia de interesses”.

Keynes é o papa do Estado corporativo, caucionando, com o seu império de guildas e regulações, a união do poder político com o económico. É o equivalente actual de Jean-Baptiste Colbert, o influente ministro de Luís XIV.

Outra questão essencial. De primeiríssima ordem.  

Durante muitos anos, identificou-se o Nazi-Fascismo como o pior monstro totalitário da história humana, e com a “extrema-direita”.

Toda a gente repete a ladainha com a elegância frenética de um robot...  

Aliás, entre nós, o pior que se pode dizer a um político é tachá-lo de “fascista”. É o cúmulo da difamação!

Ninguém quer ser fascista, como se não existisse, vejam bem, essa escória que é o comunismo genocida.

Fala-se de Hitler para esquecer Estaline, Pol Pot ou Mao Tsé-Tung.

Acontece que o Nazismo alemão foi apenas um dos ramos do movimento socialista. Trata-se de um movimento de esquerda, que odiava o capitalismo e importou os piores métodos da URSS. Nationalsozialismus. Eis a verdade cristalina.

Aliás, foi Estaline quem alimentou Hitler, ajudando a edificar a sua terrível máquina de guerra. De outra forma seria impossível.

Até a tecnologia dos campos de concentração foi copiada da Rússia soviética.

Durante décadas e décadas este facto foi silenciado, mas tudo se clarificou com a abertura dos arquivos de Moscovo.

Pacto Ribbentrop-Molotov foi apenas a confirmação de uma relação privilegiada, de estreita colaboração, que já vinha de trás.
Este artigo do filósofo Olavo de Carvalho é mais importante do que toda essa ração simplória, e francamente burlesca, que nos impingiram durante anos a fio, da escola primária à universidade: URSS, a mãe do nazismo, in http://www.olavodecarvalho.org/semana/081211dc.html.

Quando não restam mais âncoras, a esquerda ressentida lembra-se finalmente da Suécia.

Este belo país escandinavo seria fruto, afirma-se convictamente, do Estado interventor e da “social-democracia”. Logo, da esquerda!

Falam de Olof Palme, dos serviços públicos generosos, etc., etc.. 

A Suécia, glamourizada pelos ABBA, seria então um bom exemplo das virtudes da planificação económica.

Ora, é mais um mito político frágil.

Quem construiu a prosperidade sueca não foi o socialismo. Nem o sr. Keynes. Foi, pelo contrário, a tradição liberal.

No séc. XIX, surgiu um grupo de empreendedores, os quais lançaram o país na rota da inovação e da modernidade.
Outrossim, esse reino escandinavo, com um território imenso e belos lagos naturais, nunca esteve envolvido em guerras ou conflitos destrutivos. Desde 1809 que não participa directamente em guerras.

O assistencialismo estatal é apenas uma invenção recente da social-democracia, sobretudo a partir de 1950, o que viria a gerar o protesto da escritora Astrid Lindgren, indignada com a altíssima carga tributária que mal deixava o cidadão respirar e usufruir o fruto do seu trabalho.

Stefan Karlsson escreveu um poderoso artigo sobre o tema, The Sweden Myth, avaliando rigorosamente a história económica sueca.

Foi a partir da década de 1860 que a Suécia fez reformas decisivas e entrou no barco da Revolução Industrial. A liberdade é tudo.

Não foi Marx, o impostor e guru de tiranos, mas sim pioneiros como Alfred Nobel, Sven Wingquist, Gustav Dahlén e Baltzar von Platen que fizeram a riqueza do país.

Em pouco tempo a Suécia já estava na linha da frente da prosperidade; empresas como Volvo, Saab ou Ericsson conservaram esse espírito criativo.

Até 1932, os gastos do Governo eram menos do que 10% do PIB.

Mas a esquerda não quer saber dos factos. Quer utilizar a Suécia como uma bandeira.

Porque não lê o índice anual da Heritage Foundation?

Essa malta não tem remédio!

PS: O sr. Tony Blair, ao lado de Bill Clinton, Felipe González ou Fernando Henrique Cardoso, desilude-me agora particularmente, avalizando, sem espírito crítico, a infeliz política de Juan Manuel Santos, que mais não é, no ápice da desonra e impunidade, do que o esquecimento das inúmeras vítimas do terror e a legitimação moral peremptória das FARC, a bilionária, mafiosa e crudelíssima guerrilha marxista colombiana. Se é isto, como proclamam os convivas, “La tercera via: el camino a la prosperidad económica y social” (ver http://www.midiasemmascara.org/artigos/internacional/america-latina/15325-santos-fhc-e-a-paz-das-farc.html), prefiro, definitivamente, a minha primeira via: a da liberdade individual, da reforma tranquila e do governo constitucional limitado, com raízes na Revolução Gloriosa de 1688. Prefiro, enfim, essa via que fez, em toda a parte, A Riqueza das Nações; prefiro o modelo cristão da culpa e do arrependimento; entre as FARC e George Washington, fico com o último.

Leia também: 

Direita e esquerda: a relevância de uma distinção - 1ª parte e Direita e esquerda: a relevância de uma distinção - 2ª parte.
Casimiro de Pina é jurista e autor do livro 'Ensaios Jurídicos: Entre a Validade-Fundamento e os Desafios Metodológicos'.


Leia os textos de Félix Maier acessando:
1) Mídia Sem Máscara
2) Piracema II - Nadando contra a corrente
3) Facebook  

Leia as últimas postagens de Félix Maier em Usina de Letras clicando em

 

Wikipédia do Terrorismo no Brasil


MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Uma seleção de artigos. Imperdível!

Nenhum comentário:

Postar um comentário