MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964

MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964
Avião voa sobre a orla carioca em 31/03/2014, ostentando faixa com os seguintes dizeres: "PARABÉNS MILITARES - 31/MARÇO/64 - GRAÇAS A VOCÊS O BRASIL NÃO É CUBA". Clique na imagem acima para acessar MEMORIAL 31 DE MARÇO DE 1964 - uma seleção de artigos sobre o tema.

sexta-feira, 19 de outubro de 2012

Revisionismo esquerdista a serviço da desinformação



Revisionismo esquerdista a
serviço da desinformação

Félix Maier
 


   Paulo Fonteles Filho é filho de Paulo Fonteles, ex-deputado e advogado de posseiros no Sul do Pará, assassinado em 1987. Em seu blog, Fonteles Filho se apresenta orgulhosamente como “comunista”, apesar desta peste vermelha ter ocasionado o assassinato de 110 milhões de pessoas ao redor do planeta: Nasci nos cárceres da repressão política brasileira e os brutamontes diziam que ‘Filho desta raça não deve nascer’. Sou filho de um ventre rebelde, rubro. Sou comunista desde tenra idade e vou levando na lapela a rosa vermelha da esperança.”

    Um dos textos de Fonteles Filho,  A guerra biológica no Araguaia, já começa com o título errado: se realmente foi utilizado o Aldrin no Araguaia, com propósito militar, o correto seria chamar isso de "guerra química", não "biológica". Quem entende de guerra biológica  - ou melhor, de terrorismo biológicosão alguns petistas, que deliberadamente propagaram a praga da vassoura-de-bruxa no sul da Bahia -  cfr. em http://veja.abril.com.br/210606/p_060.html.

   Em seu livro MATA! - O Major Curió e as guerrilhas do Araguaia (1), Leonencio Nossa faz uma permanente comparação da violência dos militares na campanha contra Canudos com a Guerrilha do Araguaia - com louvores a Lampião: “O Exército tinha distribuído Aldrin nas cabanas de castanheiros. No Araguaia, não foi respeitada a lei de Lampião, que não envenenava riachos por onde passavam inimigos” (op. cit. pg. 193).

   O Aldrin era um inseticida utilizado no Brasil nos anos de 1960 e 70 como agrotóxico, além do DDT e BHC, entre outros, que foram proibidos no Brasil a partir de 1985, por decreto federal. Se houve morte de guerrilheiro do PCdoB por ingestão ou contágio de Aldrin, isso foi um caso isolado, não devido a uma “guerra química” promovida pelo Exército, como sugere o articulista vermelho, Fonteles Filho. Além do mais, o aldrin era um produto de fácil alcance por qualquer um, seja posseiro, guerrilheiro ou combatente militar, e qualquer pessoa desses grupos poderia ter sido contaminada devido à manipulação indevida do produto.
 

   Quanto a Leonencio Nossa afirmar que o Exército envenenou riachos com o aldrin, uma crueldade que nem o querido Lampião fez, é delírio puro. Se algum rio foi contaminado por aldrin ou qualquer outro agrotóxico, isso ocorreu devido à sua utilização na lavoura, não que foi lançado diretamente no rio pelos militares. Afinal, estes também dependiam dos rios e igarapés para sua sobrevivência na selva.
 

   O que todo combatente militar de selva sabe é que algumas tribos indígenas, como a etnia Sateré-Mawé, utilizam o cipó timbó, que é venenoso, para a pesca. A imersão do timbó na água libera um veneno que age no sistema nervoso cerebral do peixe, que perde o equilíbrio e fica boiando na água, facilitando sua captura. O rios Mawé e Andirá, por exemplo, são rios mortos, não têm vida, devido a essa prática indígena. O efeito do veneno do timbó nos rios pode permanecer durante 10 anos - um verdadeiro desastre ecológico, que lembra o antigo uso de dinamite para pesca.

   A revisão histórica é benéfica, desde que os críticos se atenham a critérios científicos tão ou até mais rigorosos do que aqueles que nortearam a história original.
 

   É comum entre esquerdistas realizar a revisão da História, de modo que ela fique igual à sua cara, a cara da mentira. O "historiador" José Chiavenato - fonte de consulta do articulista vermelho -, com seu livro Genocídio americano: a guerra do Paraguai, não tem credibilidade nenhuma em seu revisionismo rasteiro sobre a Guerra do Paraguai, em que tenta classificar Caxias e o Conde D'Eu como combatentes monstruosos, e que o Brasil estaria a serviço do império britânico, para massacrar o país "mais progressista" da América do Sul. “Historiadores militares de gabarito assinalaram, nessa obra de Chiavenato, mais de 30 erros históricos comprovados e outras tantas distorções da verdade comprovando o relativismo e o absolutismo com que o autor manipulou a história” (PEDROSA: 2008, 69). (2)
 

   O Brasil, no início de Guerra do Paraguai, era um "império desarmado". “A proposta liberal de Adam Smith em A Riqueza das Nações, em moda durante a segunda metade do século XIX, induzira no Brasil um certo descuido com o exército profissional, embora o famoso pensador sempre propugnasse por uma força militar organizada para fundamentar e garantir o progresso e a segurança da nação (PEDROSA, 2004: 209 - capítulo “Império Desarmado”). (3)
 

   A Guerra do Paraguai só tem uma história: o Brasil, com muito custo, conseguiu reunir 15.000 homens armados, para se defender da agressão de Solano López, à frente de um exército de 64.000 homens, que aprisionou um navio brasileiro (em que viajava o presidente da Província de Mato Grosso), invadiu o Mato Grosso, ocupando parte desse território por três anos, violou o território da Argentina e chegou a conquistar Uruguaiana.

   Todo país tem o direito natural de se defender contra a agressão estrangeira. Foi o que o Brasil fez contra o Paraguai e ponto final.
 

   Todo revisionista vermelho deveria ter passado pelo menos 15 anos num gulag soviético, ou 10 anos numa “leoneira” (4) cubana, para dar valor à liberdade e à democracia, que tanto prega - apenas da boca para fora, já que defende, até hoje, regimes totalitários, como o de Cuba.
 

   A recente história do Brasil é uma só: os militares evitaram que o Brasil se transformasse num imenso “Cubão”, no dizer de Elio Gaspari. Daí o revanchismo da esquerda, derrotada ontem e hoje no poder, em sua prática de satanizar as Forças Armadas, com o propósito de se perpetuar no poder. Um exemplo desse maniqueísmo pueril, em que os antigos terroristas são apresentados como heróis, e os militares como bandidos, é a famigerada Comissão Nacional da Verdade - o Pravda tupiniquim - que tenta reescrever a história dos governos militares pós-1964 dentro da ótica marxista da desinformação.

 

   Notas:
 

   (1) NOSSA, Leonencio. MATA! O Major Curió e as Guerrilhas no Araguaia. Companhia das Letras, São Paulo, 2012.


   (2) PEDROSA, J. F. Maya. O Revisionismo Histórico Brasileiro - Uma proposta para discussão. Bibliex, Rio, 2008.

   (3) PEDROSA, J. F. Maya. A Catástrofe de Erros - Razões e Emoções na Guerra contra o Paraguai. Bibliex, Rio, 2004.

   (4) Leoneira - Solitária ambulante, feita de seis lados de grades de ferro, onde o preso não pode se deitar, nem ficar de pé. Tipo de tortura adotada em Cuba durante a ditadura de Fidel Castro, onde os presos são largados no teto do presídio, alternando altas temperaturas do sol durante o dia com baixa temperatura à noite. O escritor Pedro Juan Gutiérrez, autor de Trilogia suja de Havana, esteve preso em tal jaula.
 

 










Nenhum comentário:

Postar um comentário